Hotelaria e Coaching

Desenvolvimento pessoal

(continuação)

Os nossos sentimentos estão diretamente relacionados e até exclusivamente dependentes dos nossos pensamentos.

Qualquer que seja o sentimento que estejamos a ter neste momento, este irá refletir-se no pensamento. Por sua vez o nosso pensamento é o responsável pelo que sentimos, e não as desculpas que atribuímos aos outros, ou às circunstâncias da vida.

O maravilhoso disto é que: Nós podemos e devemos controlar a nossa mente e respeitar os sentimentos que temos. E como fazemos? Com práticas diárias de auto-conhecimento, meditação, reflexão e tempo (que pode ser apenas 10 minutos por dia).

Em qualquer posição de liderança, esta constatação é crucial, para que as decisões que se tomem sejam o mais justas e mais eficientes para o todo. Para tal, é necessário um desapego emocional e pessoal, no momento em que estamos na liderança de outros, e/ou a guiar nas decisões crucias de uma empresa.

Quantos erros de gestão são cometidos porque a pessoa não está bem, não para, tem medo de perder o lugar, etc. Nesta sociedade ainda julgamos o direito à “fragilidade” tão humana e tão necessária para que a compaixão impere

Hoje todos sabemos que trabalhar 8 horas seguidas com 30 minutos ou 1 hora de almoço por dia é impossível. Muitas das vezes “pica-se o ponto” só para “inglês ver” porque é humanamente impossível ter foco, concentração no trabalho nestas circunstâncias. Para além do tempo que passamos em transportes e do reduzido tempo em família. Há que incrementar mudanças nas condições de trabalho e remuneração.

Só poderemos mudar se tomarmos consciência. E para isso há que parar para sentir, e perceber se vale a pena correr tanto, quando na maioria das vezes nem sabemos para quê e para quem.

by Ana Beatriz

http://www.abchospitality.com

http://www.aorhmais.pt

Written by 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.