Sou… Mulher.

Sou… 

… assombrada pelos meus fantasmas,

pelo que é mítico e fantástico

– a vida é sobrenatural.

E eu caminho em corda bamba até o limite de meu sonho.

As vísceras torturadas pela voluptuosidade

Guiam-me, fúria dos impulsos. Antes de me organizar,

tenho que me desorganizar internamente.

Para experimentar o primeiro e passageiro

estado primário de liberdade.

Da liberdade de errar, cair e levantar-me.

Clarice Lispector

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.